Pelo Comité Editorial Blog IVI Doa

Não à descriminação solidária [Infografia]

A participação no processo de doar óvulos é uma decisão que deve ser tomada de forma consciente e informada, quer pela dadora, quer pela destinatária. São muitas as crenças e os mitos existentes sobre a doação de óvulos, alguns já mencionamos em artigos anteriores. Porém, existe uma certa descriminação solidária sobre a doação por causa de algumas opiniões e medos que estão associado ao ato.

Princípios básicos da doação

Abaixo, detalhamos os princípios básicos que suportam a doação de óvulos e que reforçam os benefícios da mesma:

    1. Processo voluntário: Como dissemos no início deste artigo, a participação no processo de doação deve ser feita com segurança e certeza de querer fazer parte do processo. Tanto a nível físico como psicológico, a dadora deve estar preparada para se envolver ao máximo, de modo a que o ato voluntário prevaleça acima de tudo.
    2. É um ato altruísta: a doação de óvulos tem como princípio básico, o ato altruísta. A pessoa que decide doar, deve fazê-lo com um fim social e solidário para aqueles que não podem conceber por meios naturais. O que fortalece e modela o quarto e último princípio.
    3. Ato Solidario: Está nas mãos das dadoras, ajudar centenas de casais que querem ser pais e que não conseguem. A rejeição da solidariedade da doação de quem desconhece o processo, atribuí ainda mais importância ao ato de doar óvulos.

Doar compensa

Por tudo isso, no IVIDoa indicamos-te quais são as principais razões para te tornares dadora de óvulos, e o porquê de ser benéfico para ti:

  • Fazer parte da mudança social: Doar engloba muitos aspetos positivos e um deles é estar a colaborar com o desenvolvimento social. Após a doação vais sentir uma satisfação por poder ajudar-nos e também às pessoas que passam pela nossa clínica.
  • Ajuda a realizar sonhos: Centenas de mulheres enfrentam a incapacidade de se tornarem mães pela ausência de ovúlos, pela insuficiente qualidade dos seus óvulos, ou simplesmente por sofrerem de doenças genéticas, que não desejam transmitir ao futuro bebé. Dizer não à discriminação solidária de forma voluntária e altruista, ajudará a cumprir os sonhos de muitas mulheres.
  • Tão pouco tempo para uma grande atuação. O tempo de duração do tratamento a que irás submeter é bastante menor do que o que terás de suportar.  Apenas 10 a 12 dias de tratamento e 20 minutos de anestesia serão suficientes.
  • Compensação económica. Sim, moralmente o benefício não é o mais importante, mas a tua solidariedade será recompensada com um valor que ronda os 850€, para cobrir as despesas que terás durante o tratamento.
  • A tua saúde ginecológica sob controlo. Para entrar no processo, deves realizar vários exames médicos para confirmar se o teu estado de saúde é apropriado. O que implica um estudo aprofundado e completo do foro ginecológico e genético, que te  servirá  também para o dia em que decidas ser mãe.

Como podes ver, existem muitas razões para dizeres não à discriminação solidária.  Quebremos estereotipos. Acrescenta as tuas  razões.

 

descriminacao solidaria