Lubricação-portada

Fluxo vaginal vs Lubrificação

O sistema reprodutivo tem na lubrificação o seu próprio sistema de limpeza e inibidor de criação de microorganismos patogénicos, assim como é também um facilitador para uma possível gestação.

Funções do muco cervical

Esta secreção aquosa, produzida pelas glândulas do colo do útero, é composta, entre outros, por água, piridina, ureia, ácido acético, ácido láctico e esqualeno.

O fluxo vaginal é composto por uma flora bacteriana (principalmente lactobacilos) de pH ácido (3,8-4,5), que regula a expulsão de corpos estranhos ou de células mortas e atua como uma barreira protectora contra possíveis doenças.

Que tipos de doenças?

Doenças como a diabetes, bem como medicamentos anti-histamínicos ou fármacos contra alergias, doenças cardiovasculares e depressão alteram este pH, favorecendo a proliferação de secura e infecções vaginais, tais como vaginose bacteriana, candidíase genital e tricomoníase.

As características de cor, cheiro e consistência  alertam-nos sobre a fase do ciclo menstrual, sendo que temos que prestar atenção a circunstâncias da vida especiais, como gravidez, lactação ou menopausa, ou até a possíveis sintomas patológicos .

Uma dieta rica em alimentos ácidos e salgados afeta o cheiro, de modo que o consumo de probióticos é recomendado para proteger a saúde da nossa flora vaginal.

A produção de estrogénios e progesterona está diretamente relacionada com as variações na quantidade de muco cervical, e apesar de toda mulher dever conhecer as suas secreções, em  regra geral, nota-se que:

  • Antibióticos, contraceptivos e esteróides tendem a engrossar o fluxo.
  • Depois de realizar o exercício físico regular é normal uma maior descarga de muco, como resultado da ativação da circulação.
  • Antes e depois do sexo, o aumento da irrigação de sangue da vagina , traduz-se num aumento da lubrificação.
  • Com a ovulação, o muco cervical tende a ser mais abundante, enquanto que antes da menstruação torna-se mais espesso e mais escuro. A cor acastanhada após a hemorragia pode ser sinal de autolimpeza vaginal.
  • Os períodos de vida de menor atividade sexual, tais como a infância ou a menopausa, geram uma menor produção de fluxo.

 

Lubrificação e Sexo

As paredes da vagina são também responsáveis pela lubrificação do sexo feminino com um duplo propósito:

  1. Facilitar a penetração e tornar o sexo mais prazeroso.
  2. Para acolher e prolongar a vida do esperma para contribuir para uma possível conceção.

O Esqualeno presente no corrimento vaginal, é por excelência um lubrificante natural. Verificou-se que, para além das suas propriedades anticancerígenas, o fígado de tubarão tem doses elevadas dessa substância, especialmente usada para fazer lubrificantes. Precisamente se houver secura vaginal, as relações sexuais podem tornar-se dolorosas, levando a uma diminuição da sua prática.

Podem afectar negativamente o volume de fluxo e comprometer o  bem-estar vaginal.  O  stress, uma dieta pobre, a  hidratação deficiente, o hábito de vestir roupa  apertada, tecidos sintéticos ou o  abuso de produtos de higiene íntima perfumado, podem desequilibrar o pH vaginal.

Neste sentido, os lubrificantes tornam o sexo mais agradável e divertido,  facilitam a penetração, enriquecem e estimulam o  jogo erótico, colaborando para uma  lubrificação natural. Os lubrificantes à base de água são mais seguros e mais saudáveis do que à base de óleo, porque são hipoalergénicos e não comprometem a função de proteção do preservativo.

Além disso, as bases de óleo lubrificante, tal como a vaselina, alteram o pH vaginal e permite a proliferação de germes  na mucosa. São facilitadores de possíveis infecções.

Fazer dieta e uma higiene pessoal diária, especialmente após as relações sexuais e a menstruação, não abusar de roupas apertadas e ir ao ginecologista perante  qualquer desconforto, como coceira, odor ou fluxo invulgar, vai-nos ajudar a prevenir complicações futuras.

 

Lubricação-chicas